Produção Zero Hora/Sindcomb Notícias 17 julho 2013

Centro de pesquisa em Porto Alegre estuda fonte não convencional de gás natural

Planta-piloto no Cepac permite que se conheçam condições de formação e extração do hidrato de metano no fundo do mar

Nas dependências do Cepac, no Tecnopuc, um conjunto de instrumentos permite aos pesquisadores simular o ambiente marinho a 2 mil metros de profundidade para estudar os hidratos de gás, fonte mais abundante de combustível fóssil.

Custeada pela Petrobras, a planta-piloto avaliada em mais de R$ 1 milhão pode ajudar a ditar os rumos do Brasil caso venhamos a encontrar e explorar esses reservatórios.

Ainda não se sabe se há reservatórios de hidrato de metano no Brasil, mas acredita-se que sim, devido à prevalência dos hidratos em outras regiões do planeta. Uma das regiões mais cotadas é justamente a costa gaúcha, onde 40 integrantes da PUC-RS e quatro da Petrobras estão embarcados até o dia 26 de julho estudando a geologia e biologia do fundo do mar.

Duas fontes não convencionais de gás natural despertam interesse de países

Ainda não se sabe se há reservatórios de hidrato de metano no Brasil, mas acredita-se que sim, devido à prevalência dos hidratos em outras regiões do planeta. Uma das regiões mais cotadas é justamente a costa gaúcha, onde 40 integrantes da PUC-RS e quatro da Petrobras estão embarcados até o dia 26 de julho estudando a geologia e biologia do fundo do mar.

Fonte: Zero Hora/Sindcomb Notícias, julho/13

 

 

 

 

 

 

Compartilhe:

Mais Lidos