GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Express
  Autor/Fonte: Diário do Comércio, MG
  Data: 10/02/2012

    Reservas do Norte de MG podem mudar a economia


As reservas de gás natural na bacia do São Francisco, no Norte de Minas, estão sendo vistas como uma nova etapa no desenvolvimento da economia do Estado nos próximos anos. Para ter a exata dimensão do potencial energético e sua conseqüente utilização, o Executivo mineiro contratou empresa para elaborar um plano diretor, que ficará pronto no próximo mês e irá regular a exploração comercial na região. Além disso, detentores de blocos têm prazo de 18 meses para confirmar ao governo o tamanho e viabilidade das jazidas.
 

As reservas de gás natural na bacia do rio São Francisco, no Norte de Minas, podem promover uma nova e vertiginosa etapa para o desenvolvimento da economia do Estado nos próximos anos. Segundo a secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Dorothea Werneck, as jazidas da região têm como projeção mais pessimista depósitos capazes de fornecer até 40 milhões de metros cúbicos por dia, o suficiente para substituir, com sobra, o gás importado da Bolívia, por meio do Gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol).

 

Dorothea Werneck, que esteve em evento realizado ontem em Belo Horizonte, pela Câmara de Comércio França-Brasil Seção Minas Gerais (CCFG-MG), explica que todos os consórcios e players detentores de blocos na região têm um prazo de 18 meses para confirmar ao Executivo estadual a exata dimensão das jazidas do combustível na área.

 

Paralelamente, o Estado, através da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), contratou a Gas Energy para desenvolver um plano diretor que vai direcionar a exploração comercial do combustível encontrado na região. O estudo será concluído e entregue no próximo mês.

 

"Isto pode ser uma solução para o Estado, mas estamos otimistas com os pés no chão. Ainda faltam 18 meses para os players terem a avaliação clara do real tamanho das reservas", afirma a secretária. O plano diretor, por sua vez, vai identificar potenciais investidores e consumidores, além de mapear a infraestrutura logística da região e a destinação do gás, seja diretamente, na geração de energia, ou para a atração de indústrias eletrointensivas.

 

"O plano diretor vai nortear as ações dos consórcios detentores de blocos na região, do governo ou dos dois juntos, para a captação de investidores", destaca. Os depósitos de gás na bacia do São Francisco também coincidem, em um pedaço, com a área da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), o que é mais um incentivo para atrair investimentos. "A possibilidade é de uma alavancada monumental para o Estado e isso viria junto com a estratégia de desenvolver o Norte de Minas", acrescenta a Dorothea Werneck.

 

Os potenciais usuários do gás depositado na bacia do São Francisco, esclarece a secretária, estão divididos, de forma geral, em dois grupos. O primeiro é formado pelas empresas que usam o combustível no processo produtivo, como as indústrias de fertilizantes, química, ceramista e de ferro esponja, que pode substituir a sucata na fabricação de aço em forno elétrico.

 

Segundo Dorothea Werneck, o uso do gás para a geração de energia a partir de usinas termelétricas é o outro grupo com potencial para atrair aportes. Conforme ela, para cada 2,5 milhões de metros cúbicos de gás natural, podem ser gerados 500 megawatts de energia.

 

"Se conseguimos extrair gás a baixo custo, com energia barata viabilizada de maneira que grandes consumidores possam ser autoprodutores, podemos recolocar o Estado na rota de atração das eletrointesivas, como é o caso da indústria de ferro-ligas, que em relação à nova fronteira minerária do Norte de Minas, poderia adicionar mais valor econômico ao minério extraído na região", exemplifica.

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group

  CopyRight © GasNet - 2013