Geral CanalEnergia News Diária 15 janeiro 2019

Reservas da Eneva fecham 2018 em 28,4 bi de metros cúbicos de gás natural

Expansão medida apenas na Bacia do Parnaíba somou 3,6 bilhões de m³ e não considerou as reservas do Amazonas por ter sido adquirida em abril de 2018
 
Ao final de 2018 a Eneva detinha reservas de 28,4 bilhões de metros cúbicos de gás natural somando as duas bacias em que atua. A maior delas é a do Parnaíba (MA), onde possui o complexo térmico de mesmo nome com 1,4 GW de capacidade instalada. Nessa área são 24,1 bilhões de m³ e os 4,4 bilhões m³ restantes estão na Bacia do Amazonas. Os dados constam do Relatório Executivo de Auditoria das Reservas de Gás Natural referem-se a 31 de dezembro de 2018, foi elaborado pela consultoria independente Gaffney, Cline & Associates, Inc.
 
Segundo os critérios do Petroleum Resources Management System (PMRS), a GCA certificou as reservas abordando oito campos de gás na Bacia do Parnaíba, sendo cinco em produção (Gavião Real, Gavião Azul, Gavião Branco – inclui Gavião Branco Sudeste), Gavião Caboclo e Gavião Vermelho. E ainda, outros três em desenvolvimento, que são Gavião Preto, Gavião Tesoura e Gavião Branco Norte. Já no Amazonas consta do relatório um campo de gás em desenvolvimento, Azulão.
 
O aumento das reservas no último ano foi de 3,6 bilhões m³ e considera nesse volume apenas a bacia do Parnaíba, uma vez que a do Amazonas foi adquirida em abril de 2018. De acordo com o relatório em setembro de 2018, a companhia declarou comercialidade da acumulação Morada Nova, descoberta no Bloco PN-T-49.
 
A acumulação passou a ser denominada Campo de Gavião Tesoura com 1,3 bilhão de m³, Gavião Preto com 1,9 bilhão de m³ que foram compensados com a produção de 800 milhões de m³ dos campos em operação. Esse volume, ressaltou a empresa é melhor do que o estimado inicialmente.
 
Em 2018, o Índice de Reposição de Reservas (IRR) na Bacia do Parnaíba foi de 286%, e a relação entre o volume de reservas e o volume produzido (R/P) de 15 anos, destacou o comunicado.
 
 
 
Fonte: CanalEnergia News Diária (10/01/2019)