GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
The Pipeline + Energy Expo
(4/4/2017 - 6/4/2017)
Cox Business Center, Tulsa, Oklahoma
PennWell

 
 
EXPOMAFE - Feira Internacional de Máquinas-Ferrame ...
(9/5/2017 - 13/5/2017)
São Paulo Expo Exhibition & Convention Center
Informa Exhibitions/Abimaq
Horários: 3ª a 6ª de 10 às 19h; Sábado de 9 às 17 h
Endereço: Rodovia dos Imigrantes Km 1,5

 
 
Power-Gen India & Central Asia
(17/5/2017 - 19/5/2017)
Pragati Maidan, New Delhi, India
PennWell

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
Gás Natural
  Glossário


O Glossário abaixo está em ordem alfabética, para ir diretamente à letra de interesse, clique nos links correspondentes:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V

Abastecimento interruptível: abastecimento sujeito a interrupção a critério da companhia distribuidora ou de acordo com condições estabelecidas em contrato.

ABEGÁS: Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado.

ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Abrigo: Construção especialmente destinada a receber um ou mais medidores/reguladores ou recipientes de GLP, sejam eles individuais ou coletivos, com seus respectivos complementos.

Absorção: Processo de separação de misturas em seus componente, possível graças a absorção mais rápida de alguns desses componentes. Um exemplo é a extração dos componentes mais pesados de gás natural.

AGA: Associação Americana de Gás (American Gás Association).

Alívio: abertura num tanque ou outro equipamento selado para evitar escapamento do material a pressões normais, armado de forma a se abrir automaticamente para aliviar o excesso de pressão. Pode ser armado para abertura manual e despressurizar o equipamento como desejado.

Análise de Pontos de Ebulição Verdadeiros - PEV: técnica laboratorial especificada às normas ASTM D2892 e ASTM D5236, que fornece as frações evaporadas de um dado tipo de petróleo em função da temperatura.

Anodo de sacrifício: pólo positivo num sistema eletrolítico, tal como aplicado na proteção catódica; é o eletrodo no qual a oxidação ou corrosão ocorre.

ANP: Agência Nacional do Petróleo.

ANSI: Instituto do Normas Nacionais Americanas (American National Standard Institute). Equivale à Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Aparelhos de cocção: aparelhos usados para o cozimento e preparo de alimentos, exemplo fornos, fogões, cafeteiras.

Aparelhos hermeticamente Isolados: aqueles que recebem o ar necessário à combustão diretamente do exterior e descarregam os produtos de combustão para fora do ambiente onde se encontram.

API: American Petroleum Institute: É também medida numérica da densidade do petróleo bruto; quanto menor o grau API mais frações pesadas ele possui.

Aquecedor de acumulação: aparelho com reservatório de água que se mantém aquecida em contato com o calor gerado na combustão de gás, onde a temperatura da água é controlada por meio de um termostato instalado no aquecedor, sendo a circulação da água forçada ou por gravidade. Recomendado para instalações residenciais e comerciais com alto fator de simultaneidade ou com diversos pontos de consumo de água quente.

Aquecedor Instantâneo: aparelho no qual a água é aquecida à medida que passa através do mesmo, fluindo diretamente ao ponto de utilização.

Ar: mistura de nitrogênio, oxigênio, vapor de água, dióxido de carbono, argônio, neônio e pequenas quantidades de outros gases raros.
Para todos os fins práticos de combustão, o ar pode ser considerando como composto, em volume, de oxigênio (02)20,9%; nitrogênio (N2) 79,1%; e, em peso, de oxigênio (02)23.15%;nitrogênio (N2) 76,85%. O peso do ar a 15,5ºC é 1,22 kglm3, ao nível do mar e a pressão atmosférica tem um volume de 0,37 m3.

Ar de combustão: ar que reage quimicamente com o combustível no processo de queima.

Ar em excesso: ar que passa através da câmara de combustão e dutos de tiragem, em excesso ao que é teoricamente necessário para combustão completa.

Ar primário: ar misturado com combustível para atingir determinadas características antes de ser admitido na câmara de combustão.

Ar secundário: ar necessário para realização da combustão, admitido para a zona da combustão, após a combustão com o primário ter começado.

Ar teórico: volume de ar quimicamente exato, necessário para a combustão completa de uma quantidade específica de combustível.

Armazenagem em rede (line pack): armazenagem de gás num sistema de gasodutos pelo aumento da pressão normal de operação.

As Built (como construído): Desenho final da obra, com a implantação de todas as alterações efetuadas durante a construção.

ASTM: sigla da American Society for Testing and Materiais.

Atmosfera: mistura de gases compreendendo o ar; mistura de gases dentro de uma câmara específica, tal como na câmara da combustão de um forno. Denominação dada também à unidade de pressão, que equivale a 101,3 kPa ao nível do mar. Termo que também designa ambiente externo e ventilado, quando referir-se ao local de descarga de produtos de combustão ou gases.

Atmosfera oxidante: gases num forno metalúrgico que provocam a formação de inúmeras impurezas ou oxidação no metal que está sendo submetido a tratamento térmico.

Atmosfera redutora: meio gasoso que tende a desoxidar materiais com os quais entra em contato. Utilizada no tratamento térmico de algum metais para evitar a oxidação das substâncias metálicas e remover quaisquer óxidos que estejam presentes.

Atomização: processo utilizado para transformar um combustível líquido para o estado mais próximo possível do gasoso, reduzindo-o a pequenas gotículas, de maneira a aumentar a superfície especifica até aproximar-se da fase gasosa, a fim de haver uma mistura eficiente com o oxigênio, conseqüentemente, uma boa combustão.

Bacia: depressão da superfície da terra na qual são depositados sedimentos, normalmente caracterizados por acumulação por longo período de tempo; uma extensa faixa de terra sob a qual camadas de pedra são inclinadas, normalmente dos lados para o centro.

Bacia Sedimentar: depressão da crosta terrestre onde se acumulam rochas sedimentares que podem ser portadoras de petróleo ou gás, associados ou não.

Balanço térmico: princípio segundo o qual a quantidade de calor fornecida a um sistema é igual àquela retirada do mesmo, seja ela utilizada ou perdida.

Balão: dispositivo que é colocado dentro da canalização e que, após inflado, interrompe a passagem de gás em determinado trecho da mesma, onde é necessário realizar algum reparo.

Barômetro: instrumento para medir a pressão atmosférica. O de mercúrio utiliza uma coluna de mercúrio suportada por pressão atmosférica. O tipo aneróide é mecânico e desempenha o mesmo papel.

Barril (bbl): medida padrão para petróleo e seus derivados. Um barril é igual a 35 galões imperiais, 42 galões americanos ou 159 litros.

Barril de petróleo (boe): unidade utilizada para comparar (converter) em equivalência térmica, uma quantidade de energia em barris de petróleo.

Baseload (carga de base): nível básico fundamental de demanda, ou mínimo do sistema; usado no contexto de provisão de gás e geração de energia. O oposto de peakload (carga de ponta).

Beach Prices: Preço aplicado ao gás no despacho, quando a água e os hidrocarbonetos líquidos foram removidos.

Biogás: mistura de metano (CH4) e dióxido de carbono (CO2), produzida pela fermentação de matérias orgânicas, em proporções de cerca de 1/3 de CO2, e 2/3 de CH4, com traços de oxigênio nitrogênio provenientes da atmosfera.

Bloqueio da rede por balonamento: consiste em fazer um bloqueio na tubulação onde é inserido um balão que, inflado, interrompe a passagem do gás no trecho a ser recuperado.

Bloqueio de segurança: interrupção do fornecimento de gás pelo fechamento das válvulas de bloqueio.

Bloqueio duplo e descarga: sistema de bloqueio de segurança formado por três válvulas, sendo duas válvulas de bloqueio automático, instaladas em série na linha de gás, e uma terceira válvula de descarga automática instalada entre elas, com saída livre para a atmosfera.

Boiler: aparelho para aquecimento de água, que pode ser a gás ou elétrico.

Bombear o sifão: retirar água da tubulação através de sifões existentes nas redes e instalações.

Booster: compressor com pequena relação de compressão, utilizado para aumentar a pressão num sistema de gás.

Boring-machine: equipamento especial utilizado para introduzir tubos-camisa no solo, sem necessidade de abertura de valas.

Botijão: recipiente transportável, destinado a conter gás liquefeito de petróleo (GLP) com dispositivo para ligação e capacidade de, no máximo, 250 litros.

BTU (British Thermat Unit): quantidade de calor necessária para elevar a temperatura de uma libra de água em 1ºF.

Butano: hidrocarboneto saturado com quatro átomos de carbono e dez átomos de hidrogênio (C4H10), encontrado no estado gasoso incolor, com odor de gás natural. Compõe o GLP, sendo empregado como combustível doméstico, como iluminante; como fonte de calor industrial em caldeiras, fornalhas e secadores; para corte de metais e aerossóis.

Butano-ar, Propano-ar: butano ou propano comercial misturado com ar e fornecido como gás de cidade ou como parte dele, ou ainda como stand by de GN.

Butano comercial: gás liqüefeito de petróleo consistindo predominantemente de butanos e/ou butitenos (hidrocarbonetos C4).

By-Pass (desvio): arranjo de tubulação com válvula de controle que conduz gás, ar ou outro fluído, contornando, ao invés de atravessar, todo um trecho da uma tubulação.

Cabine de medidores: local destinado ao abrigo de um ou mais medidores.

Cabine do regulador: local destinado ao abrigo do regulador. Este termo é empregado principalmente nos reguladores residenciais, instalados na entrada de algumas edificações.

Caldeira: aparelho destinado à geração de vapor de água de uso comercial, residencial ou industrial.

Calor específico: calor necessário pare elevar em 10 a temperatura de uma unidade de massa de uma substância.

Campo de gás: um ou mais reservatórios de hidrocarbonetos contendo gás natural, porém, com quantidades desprezíveis de petróleo.

Campo de Petróleo ou de Gás Natural: área produtora de petróleo ou gás natural, a partir de um reservatório contínuo ou de mais de um reservatório, a profundidades variáveis, abrangendo instalações e equipamentos destinados à produção.

Canalização Interna: tubulação que interliga a jusante do medidor até os pontos de alimentação dos aparelhos de utilização.

Capacidade nominal dos aparelhos de utilização: calor fornecido na queima do gás para o qual o equipamento foi projetado para funcionar em sua capacidade máxima.

Carbono: elemento químico que tem a mais ampla aplicação dentre todos os elementos e entra na composição de todos ou compostos orgânicos. Não se funde e é quimicamente inativo a baixas temperaturas; a temperaturas mais elevadas queima e absorve oxigênio.

Carga de ponta: demanda máxima de gás num sistema, durante o intervalo de tempo especificado: hora, dia, semana, mês ou ano.

Catalisador: substância que, por sua presença, modifica a velocidade de uma reação química, sem sofrer alteração durante o processo.
Célula combustível: célula elétrica usada para gerar energia elétrica a partir de uma reação entre compostos químicos, sem necessidade de combustão e sem a produção de barulho ou poluição. Pode usar gás natural como insumo.

Central de butano-ar (ou propano-ar): estação geradora de gás onde o butano ou propano é misturado com o ar e injetado num sistema de distribuição.

Chama piloto: pequena chama que acende um queimador ou conjunto de queimadores quando o gás é admitido.

Chaminé: duto destinado a conduzir para a atmosfera, para o poço de ventilação ou para a chaminé coletiva, os gases de combustão provenientes de um aparelho de utilização.

Chaminé coletiva: duto destinado e conduzir para atmosfera os gases de combustão gerados nos aparelhos de utilização através das respectivas chaminés individuais.

Chaminé individual: duto instalado acima do aquecedor ou boiler, cuja função é permitir o escoamento dos gases da combustão para o exterior do ambiente e, ao mesmo tempo, propiciar melhor eficiência da queima do gás nos aparelhos de utilização.

Chuva ácida: assim chamada por resultar da combinação entre óxidos de enxofre (SOx) e óxidos de nitrogênio (N0x0), liberados pela combustão de combustíveis fósseis (especialmente o carvão) com a umidade do ar, resultando na formação de ácidos nítrico, nitroso, sulfúrico e sulfuroso, Causa estragos ao meio ambiente e ao patrimônio exposto.

Ciclo combinado: combinação de turbinas de ciclo a gás com turbinas de ciclo a vapor, para gerar energia elétrica.

City-gate ou Estação de Entrega e Recebimento de Gás Natural ou Estação de Transferência de Custódia de Gás Natural: conjunto de instalações contendo manifolds e sistema de medição, destinado a entregar o gás natural oriundo de uma concessão, de uma unidade de processamento de gás natural, de um sistema de transporte ou de um sistema de transferência, para a concessionária estadual distribuidora de gás canalizado.

Climatização: Sistema que produz água resfriada, a qual é utilizada para fins de condicionamento de ambientes. Este sistema utiliza o gás canalizado como fonte de energia.

Cogeração: produção seqüencial de eletricidade e energia térmica útil a partir da mesma fonte de energia. O gás natural é um combustível vantajoso para unidades de cogeração de ciclo combinado, nas quais o calor desperdiçado é convertido em energia elétrica.

Combustão: combinação, geralmente rápida, entre duas substâncias, combustíveis e comburentes, que libera uma grande quantidade de calor.

Combustão completa: oxidação completa de um combustível, com ou sem sucesso de oxigênio.

Combustão incompleta: queima com suprimento insuficiente de oxigênio, de forma que a substância a ser queimada é consumiria parcialmente.

Combustão perfeita ou estequiométrica: oxidação total de um combustível com a quantidade teórica exata do oxigênio necessário.

Combustível: substância que queimará sob condições controláveis, fornecendo calor numa forma utilizável.

Combustível fóssil: qualquer combustível orgânico de ocorrência natural, tal qual o petróleo, gás natural e carvão.

Companhia distribuidora ou Concessionária: entidade pública ou particular responsável pelo fornecimento, abastecimento, distribuição e venda de gás canalizado aos consumidores.

Compressibilidade: no gás, refere-se à modificação da densidade quando sob condições de compressão alteradas.

Condensado: frações líquidas de gás natural obtidas no processo de separação normal de campo, mantidas na fase líquida na condição de pressão e temperatura de separação.

Condição Padrão de Medição: condição em que a pressão absoluta é de 0,101325 mpa (cento e um mil trezentos e vinte e cinco milionésimos de megapascal) e a temperatura é de 20º C (vinte graus centígrados).

Condições Padrão: de acordo com o I.G.U., 288,15º ºK (15ºC) e 1.01325 bar seco. De acordo com e AGA (American Gas Association) 60º F e 30 polegadas de mercúrio seco; de acordo com o Compresseg Gas Institute, a temperatura de 20ºC(68º F) e uma pressão de 1 atmosfera. No Reino Unido, para um gás, 60ºF, 30 polegadas de mercúrio saturado com vapor de água.

Conjunto de medição e regulagem: instalação existente em consumidores, destinada a regular a pressão e efetuar a medição do gás fornecido.

Consumo Interno ou Consumo Próprio: parcela de produtos de derivados de petróleo, gás úmido, consumido pela própria unidade produtora, ou indústria do petróleo.

Conversão: projeto que está sendo desenvolvido pela COMPAGAS e que consiste na troca do GLP (gás liqueito de petróleo) por gás natural. Para tal, além das mudanças realizadas na rede, são ainda feitas mudanças nos aparelhos de queima dos clientes (fogões, aquecedores, fomos etc).

Criogenia: processo de produção, manutenção e utilização de temperaturas extremamente baixas, inferiores a - 46º C.

CTGás: Centro de Tecnologia do Gás.
Defletor: dispositivo situado no circuito de exaustão dos produtos da combustão de um aparelho a gás, destinado a diminuir a influência da exaustão dos gases e do retrocesso sobre o funcionamento do queimador e da combustão.

Demanda: quantidade de gás utilizada por um consumidor num dado período de tempo. Expresso normalmente em m³/h, por dia ou por ano.

Densidade: massa de uma substância por unidade de volume expressa normalmente em termos de kg por m3.

Densidade absoluta: relação entre a massa por unidade de volume. Quando medida nas condições normais de temperatura e pressão (CNTP) é denominada "densidade absoluta normal".

Derivados Básicos: principais derivados de petróleo, referidos no art. 177 da Constituição Federal, a serem classificados pela Agência Nacional do Petróleo.

Derivados de Petróleo: produtos decorrentes da transformação do petróleo.

Desarmo: condição de bloqueio de um sistema de combustão, em conseqüência da qual nova partida não possa ocorrer sem intervenção manual. Um sistema de alarme é usualmente incluído.

Desobstrução para instalação interna: retirada de obstruções causadas pela água nas instalações internas das edificações. Esta obstrução, em geral, ocasiona falta de gás ou gás fraco nos equipamentos dos clientes.

Detector de gás: instrumento para detectar a presença de vários gases, geralmente por medida de segurança contra gases tóxicos ou inflamáveis.

Dióxido de carbono CO2: gás carbônico, incolor e inodoro, responsável em grande parte pelo efeito estufa na atmosfera terrestre.

Directional drilling (Perfuração Direcional): técnica de perfuração do solo, guiada por instrumentos, que permite a passagem de dutos em locais de grande movimento ou de difícil acesso, como cruzamento de estradas, travessias de rios etc, sem interromper o tráfego ou afetar a natureza e as instalações de superfície.

Distribuição de Gás Canalizado: serviços locais de comercialização de gás canalizado, junto aos usuários finais, explorados com exclusividade pelos Estados, diretamente ou mediante concessão, nos termos do § 20 do art. 25 da Constituição Federal.

Duto: conjunto de tubos interligados; denominado poliduto, quando transporta líquidos diversos; oleoduto quando transporta petróleo e seus derivados líquidos; e gasoduto quando transporta gases.

Efeito estufa (greenhouse effect): emissões de dióxido de carbono, óxido nitroso, metano e outros gases provenientes de motores de veículos, plantas industriais, plantas termelétricas e outras fontes, que se acumulam entre a superfície terrestre e a atmosfera mais elevada. Muitos cientistas relacionam essas emissões ao aquecimento da temperatura no planeta.

EIA: Estudo de Impacto Ambiental exigido pelos órgãos ambientais para obtenção das licenças para construção de gasoduto.

Emissões fugitivas: emissões que escapam de um sistema que deveria ser hermético.

Enxofre (S): elemento químico, geralmente de cor amarela; impureza nos combustíveis, nessa forma ou como composto sulfuroso; pode formar ácidos corrosivos como o sulfúrico e sulfídrico.

Estação Redutora de Pressão (ERP): Conjunto de equipamentos destinados a reduzir a pressão de uma determinada rede de distribuição de gás.

Estações de regulagem: áreas onde estão instalados reguladores de pressão do gás.

Estocagem de Gás Natural: armazenamento de gás natural em reservatórios próprios, formações naturais ou artificiais.

Etileno(C2H4): hidrocarboneto e agente de iluminação, presente no gás manufaturado. Um importante insumo na indústria química e de plásticos.

Excesso de ar: ar em excesso ao teoricamente necessário à combustão completa.
Fator de carga (loadfactor): razão entre demanda máxima provável e demanda máxima possível.

Fator de simultaneidade: coeficiente de minoração, expresso em porcentagem, aplicado à potência instalada, para obtenção da potência de projeto de uma instalação de gás. Expressa a probabilidade de uso concomitante de vários aparelhos a gás numa instalação.

Fator de velocidade de chama: velocidade de queima de uma mistura estequiomérica de gás e ar expressa como uma porcentagem de velocidade de queima da mesma mistura de hidrogênio e ar.

Filtro: meio mecânico de remover materiais sólidos de um líquido ou gás; é construído de tal forma que o fluído passa através do material filtrante e os sólidos são retidos.

Flange isolante: par de flanges inserido numa tubulação, com as faces isoladas eletricamente uma da outra, com a finalidade de interromper o fluxo de corrente elétrica através da tubulação.

Flared or Vented: gás queimado ou aliviado nas plataformas de produção ou plantas de processamento de gás.

Fluído: designação comum a líquidos e gases.

Fóssil: vestígio ou resto petrificado ou endurecido de seres vivos que habitaram a Terra antes do período holoceno, que se conservaram sem perder as características essenciais.

Fuel Oil 1%: classificação de óleos combustíveis com teor máximo de enxofre de 1% (um por cento), viscosidade cinemática de 380x10-6m2/s (trezentos e oitenta milionésimos de metro quadrado por segundo) a 50ºC (cinqüenta graus Celsius) e densidade entre 965 (novecentos e sessenta e cinco) e 990 kg/m3 (novecentos e noventa quilogramas por metro cúbico).

Fuel Oil 3.5%: classificação de óleos combustíveis com teor máximo de enxofre de 3,5% (três vírgula cinco por cento), concentração máxima de vanádio de 300 ppm (trezentas partes por milhão), viscosidade cinemática de 380x10-6m2/s (trezentos e oitenta milionésimos de metro quadrado por segundo) a 420x10-6m2/s (quatrocentos e vinte milionésimos de metro quadrado por segundo) a 50ºC (cinqüenta graus Celsius) e densidade de 965 (novecentos e sessenta e cinco) a 990 kg/m3 (novecentos e noventa quilogramas por metro cúbico).

Gás Ácido: gás natural contendo compostos de enxofre que precisam ser removidos para sua utilização.

Gás associado: gás natural encontrado dissolvido no petróleo, ou na forma de uma capa de gás acima do reservatório de óleo. Também conhecido como gás em solução e gás aprisionado. Normalmente está presente em um reservatório de petróleo nas fases iniciais de produção. Nesse caso, a produção de gás é determinada diretamente pela produção de petróleo.

Gás de Carvão: gás manufaturado, feito pela destilação destrutiva (carbonização) de carvão betuminoso em retortas de gás ou fornos de coque. Seus principais componentes são metano (20% a 30%) e hidrogênio (cerca de 50%). Foi o primeiro gás produzido industrialmente e distribuído em larga escala.

Gás de cidade: gás levado por tubulação aos consumidores, a partir de uma usina. Pode se constituir de gás manufaturado e gás natural usado para enriquecimento.

Gás de referência: gás padrão, típico de um grupo de gás distribuído normalmente, e pelo qual os equipamentos são projetados e ajustados.

Gás de Refinaria: Gás resultante das operações de refino do petróleo; consiste principalmente de hidrogênio, metano, etileno, propileno e os butilenos. Pode também conter outros gases tais como nitrogênio e dióxido de carbono. Sua composição pode ser altamente variável e o poder calorífico pode variar de 40 MJ/NM3 a 80 MJ/Nm3.

Gás engarrafado: gás liqüefeito de petróleo, mantido sob pressão em cilindros de aço, por conveniência de transporte para usuários industriais, comerciais ou residenciais.

Gas Grid: termo usado para as redes de transmissão e distribuição de gás numa região ou país, nas quais o gás é transportado para usuários industriais, comerciais e residenciais.

Gás interruptível: gás fornecido sob acordos que permitem a interrupção ou corte do fornecimento pelo fornecedor.

Gás Liqüefeito de Petróleo (GLP): mistura de hidrocarbonetos leves, gasosos, predominantemente propano e butano. São armazenados no estado líquido em botijões ou cilindros, através da elevação moderada da pressão ou da redução da temperatura. Também conhecido como gás engarrafado, gás envasilhado ou gás de cozinha.

Gás manufaturado: gases derivados de fontes primárias de energia, por processos envolvendo reação química; por exemplo, o gás natural produzido de carvão vegetal ou hidrocarbonetos líquidos, como a nafta.

Gás nas condições normais: gás estando seco à temperatura 273,15ºK (0ºC) e pressão absoluta de 1,01325mbar.

Gás natural bruto: gás direto do poço, antes de ser tratado ou limpo. Mistura de hidrocarbonetos leves e outras substâncias associadas, que ocorre naturalmente em um reservatório subterrâneo, a qual, em condições atmosféricas, é essencialmente gás, mas pode conter líquidos.

Gás natural comercializável: volume pronto para transporte, após remoção de certos hidrocarbonetos e outros compostos presentes no gás natural não processado, atendendo a especificações de uso geral. Exclui-se daí o gás combustível usado ou não aproveitado nas plataformas.

Gás natural desulfurado: gás natural que contém quantidades tão pequenas de compostos sulfurosos que pode ser utilizado sem purificação.

Gás natural liquefeito (GNL): gás natural que tenha sido liqüefeito por resfriamento a menos de 258ºF (-161ºC) à pressão atmosférica.

Gás natural não associado: gás natural livre num reservatório que não está em contato e nem dissolvido no petróleo bruto do reservatório.

Gás Natural ou Gás: todo hidrocarboneto ou mistura de hidrocarbonetos que permaneça em estado gasoso ou dissolvido no óleo nas condições originais do reservatório, e que se mantenha no estado gasoso nas condições atmosféricas normais, extraído diretamente a partir de reservatórios petrolíferos ou gaseíferos, incluindo gases úmidos, secos, residuais e gases raros. Ao se processar o gás natural úmido nas UPGNs se obtém: (i) o gás seco, que contem principalmente metano (C1,) e etano (C2); (ii) o líquido de gás natural (LGN), que contem propano (C3) e butano (C4), que formam o gás liqüefeito de petróleo (GLP); e (iii) a gasolina natural (C5).

Gás natural seco: gás natural que não contém petróleo bruto ou condensado, ou gás do qual tenham sido retirados os líquidos.

Gás natural úmido: gás com predominância do metano, mas com teor relativamente alto de outros hidrocarbonetos, os quais seriam normalmente separados como LGNs nas UPGNs.

Gás pobre: gás de poder calorífico relativamente baixo.

Gases de combustão: gases resultantes da queima de um combustível.

Gasoduto: Tubulação destinada à transferência de gás. Na forma mais ampla, pode ser entendido como sistema de gás.

Gasoduto de transmissão: tubulação cuja finalidade é transportar o gás de uma fonte para um ou mais centros de distribuição, ou destinado em pressões mais altas, por ser mais extenso e por apresentar grandes distâncias entre suas derivações.

Gasogênio: gás combustível produzido pela gaseificação contínua de combustível sólido numa mistura de ar e vapor (ou às vezes somente ar). Foi muito usado em veículo, durante a 2ª Guerra Mundial, em substituição à gasolina e nafta.

Gasolina Natural (C5+): Mistura de hidrocarbonetos que se encontra na fase líquida, em determinadas condições depressão e temperatura, composta de pentano (C5) e outros hidrocarbonetos pesados. Obtida em separadores especiais ou unidades de processamento de gás natural (UPGN) Pode ser misturada à gasolina para especificação, reprocessada ou adicionada à corrente do petróleo.

Geração de eletricidade em ponta: Geração de energia elétrica, nos chamados "horários de ponta de consumo" utilizando gerador a gás natural.

Geração térmica: conversão de energia, na qual se consome combustível para gerar calor, que é então convertido em energia elétrica. O combustível pode ser carvão, petróleo ou gás urânio.

GNC: gás natural comprimido, utilizado em veículos ou equipamentos, que operam a pressão mais elevada.

GNV: gás natural veicular, utilizado em veículos ou equipamentos, que operam a pressão mais elevada.

Greenfield: área virgem, sem infra-estrutura (rede de gás) existentes.

GTA (Gas Transportation Agreement): contrato da capacidade de transporte de um gasoduto.

Hidratos: condensado indesejável, semelhante a gelo, que aparece no gás natural, contendo vapor de água quando submetido a pressão.

Hídrocarbonetos: compostos químicos orgânicos, formados por átomos de carbono e hidrogênio, que compõem a base de todos os derivados de petróleo. Podem se apresentar na forma sólida, líquida ou gasosa. O petróleo e o gás natural são exemplos de hidrocarbonetos.

Hub: localidade geográfica na qual um grande número de compradores e vendedores negociam o gás natural e o entregam fisicamente nesse ponto.
Impacto Ambiental: qualquer alteração ambiental causada pelo homem, afetando a ele próprio e às formas animais e vegetais de vida.

Índice de combustão: relação entre monóxido e dióxido de carbono, existente nos produtos de combustão.

Índice de Wobbe: poder calorífico superior do gás, dividido pela raiz quadrada de sua densidade relativa ao ar.

lnertes: constituintes de um gás que não contribuem para seu poder calorífico. Os inertes comuns são o dióxido de carbono, oxigênio e nitrogênio.

Injetor: peça utilizada na alimentação de gás para um queimador (ex.: nos fogões).

lnstalação de armazenagem: instalação utiIlizada para a armazenagem de gás natural, de propriedade ou explorada por uma empresa, exceto a parte utilizada para as atividades de produção.

Instalação predial: conjunto de tubulações, medidores, reguladores, registros, drenos, válvulas, recipientes de gás e aparelhos de utilização, com os necessários complementos destinado ao armazenamento, condução e utilização do gás combustível.

Instalações internas: todo o trecho da instalação de gás desde a saída do medidor até dentro do apartamento, incluindo as conexões de ligações com os aparelhos de consumo (fogões, aquecedores e boilers), independente dessas instalações passarem por áreas comuns do prédio ou dentro do apartamento.

Intercambialidade de gases: adequação de gases de diferentes características de combustão, para uso em equipamentos existentes, sem alterações inaceitáveis no desempenho.

Isolante térmico: material de baixa condutividade térmica, aplicado em superfícies expostas ao ambiente, para reduzir as trocas de calor ou frio.

Kcal: denomina-se kilocaloria e significa a quantidade de calor liberada na combustão completa de uma combustível. Ela pode ser expressa em Kcal/m3 (volume) ou Kcal/kg (massa). Cada combustível tem uma determinada quantidade de kilocalorias por metro cúbico ou por kilo, que lhe é peculiar.

LGN: líquidos de gás natural. Hidrocarbonetos de alto valor comercial, que podem ser extraídos do gás natural produzido, a forma líquida. Inclui etano, GLP e pentano, além de alguns hidrocarbonetos mais pesados, como a gasolina.

Limitador de vazão: dispositivo que tem por objetivo interromper a passagem de gás na instalação predial, a jusante do ponto onde está instalado, quando a vazão exceder um valor estabelecido.

Liquefação de gás: processo de resfriamento de gás natural a uma temperatura de -162ºC, reduzido dessa forma seu volume em 600 e tornando-o líquido. O gás assim liquefeito pode ser transportado por navios metaneiros, ou armazenados em tanques ou reservatórios subterrâneos.

Malha: lay out de um sistema de distribuição do gás em uma cidade.

Manobrar a rede: rebaixar a pressão da rede ou interromper o fornecimento, em um determinado trecho, geralmente para executar algum tipo de intervenção.

Manômetro: aparelho de medição da pressão de líquidos e gases. Quando mede a pressão atmosférica leva o nome de barômetro.

Matriz energética nacional: participação relativa das diversas fontes energéticas de um país no consumo de energia primária. Essas fontes podem ser renováveis ou não renováveis.

Medição: registro de uma quantidade de gás que passa através de uma determinada seção de tubulação, em um período de tempo.

Medidor: aparelho destinado à medição do volume de gás consumido em um determinado período de tempo.

Medidor coletivo: aparelho destinado à medição do consumo total de gás de um conjunto de consumidores.

Medidor de diafragma: medidor no qual uma parede da câmara de medição incorpora um material flexível, deslocando quantidades determinadas de volume.

Medidor de turbina: medidor no qual a vazão é determinada pela rotação do elemento primário, provocada pelo escoamento do fluído no qual está imerso.

Medidor individual: aparelho destinado a medição do volume de gás consumido por apenas um consumidor.

Mercaptana: composto de carbono, hidrogênio e enxofre, encontrados no óleo e no gás. Ao serem misturados em pequenas quantidades ao gás natural e aos gases liquefeitos conferem ao gás um odor característico, aumentando a segurança na utilização desses combustíveis, pois permite a identificação de vazamentos.

Metano: hidrocarboneto encontrado na natureza, formado por um átomo de carbono e quatro átomos de hidrogênio (CH4) e que, junto com outros hidrocarbonetos, é predominante na composição do gás natural.

Metaneiro: navio especialmente projetado para o transporte de gás natural liquefeito (GNL).

Mistura GLP-AR: mistura de gás liquefeito de petróleo e ar para obter um determinado poder calorífico e passível de ser distribuído através de um sistema de distribuição, utilizando também como reserva e para fins de suplementação de pico.

Monóxido de carbono (CO): Gás tóxico formado na queima incompleta de um combustível. Quando o equipamento de queima não está devidamente regulado, as quantidades de monóxido de carbono geradas podem ser altas e muito prejudiciais ao ser humano.

Nafta: fração de destilação do petróleo, constituída por hidrocarbonetos de baixo ponto de ebulição, usada para fins energéticos e não energéticos.

Netback: o valor do gás vendido ao cliente no ponto de consumo, descontados o custo de transporte e o custo de produção.

Número de Metano: Indica a capacidade anti-detonante do gás natural, seus limites podem ser comparados com a octanagem da gasolina.
Odorizante: substância do tipo das mercaptanas que conferem odor característico ao gás natural, para detectar sua presença no ambiente, em caso de vazamento.

Óleo Combustível: óleos residuais de alta viscosidade, obtidos do refino do petróleo ou através da mistura de derivados pesados com óleos residuais de refinaria. São utilizados como combustíveis industriais para geração de calor, ou indiretamente na produção de trabalho a partir de uma fonte térmica.

Óleo Cru ou Bruto: fração do petróleo existente na fase líquida nas condições originais do reservatório, que permanece líquida nas condições de pressão e temperatura da superfície.

Ozona: forma reativa do oxigênio que filtra a radiação ultravioleta na estratosfera, mas é destruída pelo carbono, flúor corados e halogênios. Na atmosfera é produzido por reações entre compostos voláteis e óxidos de nitrogênio, e como constituinte do smog (nevoeiro com fumaça) fotoquímico, é um irritante e pode causar dificuldades respiratórias.

Peak Shaving: procedimento que permite um aumento da oferta de gás durante a ponta ou em períodos de emergência, através de outras fontes nas quais o gás tenha sido armazenado em períodos de baixa demanda ou produzido especificamente para atender a demanda de ponta.

Perda de carga: perda de pressão de gás, do fluído (ar, gás ou água), devido ao atrito ou obstrução em tubos, válvulas, conexões, reguladores e queimadores.

Perda de distribuição: quantidade de gás perdida através de vazamento ou condensação no fornecimento de gás a consumidores através de gasodutos.

Petróleo: mistura de hidrocarbonetos oleosos de ocorrência natural, com cores variando de verde a preta, encontrada em lençóis na terra, a exemplo do óleo cru e condensado. O nome é derivado do latim oleum o que ocorre naturalmente nas rochas petra.

Pico diário: volume máximo de gás fornecido em um dia.

Pig instrumentado: sistema utilizado na inspeção de gasodutos para avaliar o estado das tubulações.

Pó na rede: Resíduos provenientes de redes antigas e que são carregadas pelo gás através da tubulação.

Poço comercial: poço de produção líquida suficiente, no qual existe a expectativa de retorno do investimento em prazo razoável, e cuja operação gere lucro. Um poço raso, que produza 50 barris por dia em local rapidamente acessível em terra, pode ser um poço comercial. Tal poço, virtualmente localizado em qualquer área em mar, onde a infra-estrutura de produção, e gasodutos tenham que ser construídos, não seria considerado um poço comercial.

Poder calorífico: quantidade de calor (energia sob a forma de calor) que se desprende na combustão (queima) completa de uma unidade de volume de gás. O poder calorífico é expresso em Kcal/m³. Cada combustível possui seu próprio poder calorífico que corresponde à capacidade do combustível de gerar calor.

Poder calorífico inferior: quantidade de calor liberada pela combustão completa de uma unidade em volume ou massa de um combustível, quando queimado completamente em uma certa temperatura, permanecendo os produtos de combustão em fase gasosa (sem condensação do vapor d'água).

Poder calorífico superior: quantidade de calor liberada pela combustão completa de uma unidade em volume ou massa de um combustível, quando queimado completamente em uma determinada temperatura, levando-se os produtos da combustão, por resfriamento, à temperatura da mistura inicial (o vapor d´água é condensado e o calor recuperado).

Polietileno: é um material usado em tubulações de gás em baixas e médias pressões. Sua principal vantagem é maior facilidade na instalação e não sofrer com processos corrosivos.

Ponto de fulgor (flashpoint): temperatura na qual um líquido inflamável, num ambiente fechado, liberta vapor suficiente para criar uma mistura explosiva no espaço de ar acima dela, mistura esta que formará um lampejo se exposta em contato com uma chama ou faísca, para se avaliar a segurança em armazenamento, transporte, algumas vezes, no manuseio do combustível.

Ponto de fusão: temperatura específica na qual uma substância sofre uma mudança de estado de sólido para líquido.

Ponto de instalação: extremidade da canalização interna, destinada a receber o medidor.

Ponto de orvalho: temperatura na qual a condensação da fase vapor ocorre. Se não for especificada nenhuma pressão, o ponto de orvalho refere-se geralmente a pressão atmosférica normal.

Potência de projeto (Pp): potência, expressa em KW ou Kcal/h, utilizada para dimensionamento.

Potência instalada (P): somatória das potências máximas dos aparelhos de utilização instalados, expressa em KW ou kcal/h.

Potência nominal: quantidade de calor contida no combustível consumido, na unidade de tempo, pelo aparelho de utilização, com todos os queimadores acesos e devidamente regulados, indicada pelo fabricante.

Pressão: unidade empregada para designar os diversos níveis em que trabalham as redes de gás. Esses níveis podem ser: baixa, média pressão e alta pressão.

Pressão absoluta: soma da pressão manométrica com a pressão atmosférica.

Pressão atmosférica: pressão do peso do ar e do vapor de água na superfície da terra. Aproximadamente 101Kpa ou 760 mm de mercúrio, ao nível do mar.

Pressostato: dispositivo sensor de pressão, projetado para fornecer um sinal de saída em função de um valor pré-determinado.

Prisma de ventilação: abertura situada no interior da edificação, em comunicação direta com o exterior pela parte superior destinado a realizar a ventilação dos locais que possuem aparelhos a gás.

Processamento de gás: separação entre óleo e gás e a remoção de impureza e líquidos do gás natural.

Propano: hidrocarboneto saturado com três átomos de carbono e oito de hidrogênio (C3H8), gasoso, incolor e possui cheiro característico. Empregado como combustível doméstico e como iluminante; utilizado como fonte de calor industrial em caldeiras, fornalhas e secadores. É um dos componentes do GLP, o gás de cozinha.

Proteção Catódica: método empregado, para reduzir a velocidade de corrosão eletroquímica de estruturas como as de perfuração de óleo e plataformas de produção, tubulações e tanques de armazenagem.

Protetor de chama: controle sensível às características da chama, detectando a presença de chama e, no caso de falha de ignição ou posterior falta de chama, provocando uma parada de segurança.

Queima: reação química entre combustível e comburente com liberação do calor.

Queimador: componente de um sistema de combustão, responsável pela manutenção de uma chama estável, onde se processa uma combustão segura e controlada.

Queimador a gás: queimador que utiliza um gás como combustível.

Queimador aerado: queimador no qual o gás passado através de um injetor induz o ar primário para posterior combustão.
Ramal do usuário: é uma tubulação que, recebendo o gás da rede de distribuição, o fornece ao consumidor.

Ramal entupido: obstrução da passagem do gás, geralmente motivada por corrosão, água ou sujeira.

Ramal externo: é a parte da canalização de gás compreendida entre a rede de distribuição e o conjunto de medição e regulagem de pressão. Sua construção e manutenção são de responsabilidade da Distribuidora.

Ramal interno: conjunto de dutos, elementos e acessórios, instalados após o conjunto de medição e regulagem de pressão. Sua manutenção é de responsabilidade do cliente.

Rede de distribuição: tubulação de distribuição, estações de controle de pressão, válvulas, equipamentos operados por uma companhia de gás, para levar gás desde os pontos de suprimento ou de fabricação até os medidores dos consumidores.

Refrigerador a gás: aparelho destinado a resfriar um compartimento fechado, cuja fonte de energia principal é gás combustível, geralmente operando em ciclo de absorção.

Registro de conexão de aparelho: dispositivo de corte que, pertencente à instalação individual, está situado o mais próximo possível da conexão de cada aparelho a gás podendo interromper o fornecimento de gás a cada um deles. Não deve ser confundido com os registros incorporados aos aparelhos a gás. É necessário em todos os casos.

Registro geral de corte: dispositivo destinado a interromper o fornecimento de gás para um usuário.

Regulador combustível-ar: relação da taxa de fornecimento de combustível para a taxa de fornecimento de ar necessário para obter a característica de combustão desejada.

Regulador de pressão: dispositivo colocado na linha de gás para reduzir, controlar ou manter a pressão.

Reservas Possíveis: reservas de petróleo e gás natural cuja análise dos dados geológicos e de engenharia indica uma maior incerteza na sua recuperação quando comparada com a estimativa de reservas prováveis.

Reservas Provadas: reservas de petróleo e gás natural que, com base na análise de dados geológicos e de engenharia, se estima recuperar comercialmente de reservatórios descobertos e avaliados, com elevado grau de certeza, e cuja estimativa considere as condições econômicas vigentes, os métodos operacionais, usualmente viáveis e os regulamentos instituídos pela legislações petrolífera e tributária brasileiras.

Reservas Prováveis: reservas de petróleo e gás natural cuja análise dos dados geológicos e de engenharia indica uma maior incerteza na sua recuperação quando comparada com a estimativa de reservas provadas.

Reservas Totais: soma das reservas provadas, prováveis e possíveis.

Revisão: vistoria técnica para verificar se as instalações e aparelhos dos clientes estão de acordo com as normas de segurança estabelecidas pelo Regulamento de Instalações Prediais de Gás.

RIMA: relatório de impacto ambiental, menos elaborado que o EIA e de leitura acessível ao público em geral. Exigido pelos órgãos ambientais responsáveis pela emissão da licença prévia de gasodutos.

Scada: sistema direto de aquisição, supervisão e controle de dados relacionados à operação de gasodutos (pressão, temperatura vazão, etc) de acionamento remoto automático ou manual.

Serviço de Ponta: serviço que assegura ao comprador uma certa quantidade de gás natural, entregue a pedido deste para atender os períodos de demande de ponta.

Serviço firme: a qualidade de serviço de transporte ou venda de gás aos clientes, conforme uma programação de entrega que antecipa interrupções não planejadas. É geralmente associado às companhias de distribuição, que atendem clientes residenciais e outros usuários finais de alta prioridade.

Serviço Interruptível: Serviço de gás sujeito a interrupção à critério do transportador. Também conhecido como "serviço de melhor preço". As tarifas para serviços interruptíveis são inferiores àquelas praticadas pra serviço firme.

Ship or pay: Cláusula incluída nos contratos de transporte de gás natural segundo a qual o consumidor final ou a concessionária, para quem está sendo feito o transporte, são obrigados a pagar pelo transporte do gás mesmo no caso de o gás não ser transportado.

Sistema de bloqueio de segurança: sistema de válvulas de bloqueio, associado a um circuito de controle, que gerencia o fornecimento de gás aos queimadores, permitindo ou não o fluxo.

Sistema de combustão: conjunto composto por queimadores, sistema de suprimento de ar de combustão, sistema de suprimento de gás e geralmente sistema de proteção de controle de chama.

Sistema de detecção de chama: sistema composto por sensor de chama, amplificador de sinal de chama e relê de chama.

Sistema de distribuição: anéis, laterais, gerais, redes, ramais e equipamentos que distribuem ou controlam o gás do ponto ou pontos de suprimento locais (usualmente as City Gates) até e inclusive os medidores dos consumidores.

Sistema de distribuição de alta pressão: sistema de gasodutos de distribuição que opera a pressão maior do que a padrão de abastecimento do consumidor. Em tal sistema é exigida a instalação de um regulador em cada ramal para controlar a pressão de abastecimento do consumidor.

Sistema de suprimento de ar de combustão: sistema de suprimento de gás e geralmente sistema de proteção de controle de chama.

Take-or-Pay: cláusula contratual na qual o comprador assume a obrigação de pagar por uma certa quantidade de gás contratada, independente de retirá-la.

Tanque estacionário: vasos de formato cilíndrico pressurizados, usados para armazenar grandes quantidades de gás liquefeito de petróleo (GLP).

Telemetria: transmissão para um ponto distante, para registro ou demonstração de informações relativas ao estado do sistema do qual é derivado.

Temperatura ambiente: temperatura do ar no meio circulante a uma estrutura ou um equipamento.

Termia: unidade empregada na indústria de gás para descreverem termos de quantidade de energia.

Terminal: peça a ser colocada na extremidade exterior da chaminé primária, destinada a impedir a entrada de água de chuva e minimizar os efeitos dos ventos na seção de saída da chaminé. Instalação de despacho ou recebimento de gás natural liquefeito (GNL).

Terminal tipo T: acabamento correto das chaminés de aquecedores.

Termodinâmica: parte da física que investiga os processos de transformação d energia e o comportamento dos sistemas nesses processos.

Teste de estanqueidade: teste, geralmente feito em baixos níveis de pressão para demonstrar se um sistema de tubulação não apresenta vazamentos.

Tiragem: fluxo de gases ou ar através de chaminé, conduta ou equipamento, provocado por diferenças de pressão ou da densidade.

Tiragem forçada ou induzida: fluxo de tiragem onde o deslocamento dos produtos da combustão é feito através de dispositivo mecânico usualmente ventiladores.
Tiragem natural: tipo de tiragem onde o deslocamento dos produtos da combustão é feito através da conversão natural.

Tomada de pressão: tubo que transmite a pressão do gás de um ponto onde deva ser controlada ao atuador do regulador, manômetro ou outro dispositivo.

Transformação e conversão de energia: embora muitas vezes utilizados de forma equivalente, a rigor, a transformação se aplica à produção de energia sem mudança do estado físico da fonte geradora, mudança essa que ocorre no caso da conversão.

Tratamento ou Processamento de Gás Natural: conjunto de operações destinadas a permitir o seu transporte, distribuição e utilização.

Trocador de calor (heat exchange): equipamento destinado à transferência de calor de fluido em movimento para outro, sem contato direto entre ambos. Existem dois tipos; contínuos e descontínuos ou de batelada.

Tubo camisa: Tubo, no interior do qual a tubulação é montada, cuja finalidade é proteger a rede de distribuição em locais com riscos de impactos mecânicos, tais como cruzamentos, travessias, etc.

Tubo flexível: usado para ligar um aparelho de queima a outro tubo rígido de alimentação de gás.

Tubo rígido: tubo que durante a construção de tubulações não pode ser dobrado ou curvado.

Tubo sem costura: tubo fabricado sem junta soldada e normalmente feito por extrusão.

Tubo semi-rígido: tubo que durante a construção de tubulações, pode ser dobrado ou curvado, desde que a temperatura seja adequada e dentro dos limites estabelecidos pelas respectivas normas técnicas de sua fabricação.

Turbina a gás: turbina propulsionada pela combustão de uma mistura comprimida de ar e gás natural, usada na geração de energia elétrica.

UPGN: Unidade de Processamento de gás natural, instalada com a finalidade de remover GLP, gasolina e outros líquidos de valor comercial presentes no gás natural bruto.

Vala: nome dado às escavações longas e estreitas executadas no solo para a colocação das tubulações de gás.

Válvula de alívio: dispositivo que permite reduzir a pressão interna da instalação, através da liberação direta de gás para o exterior, quando se atinge um valor pré-determinado.

Válvula de Bloqueio Intermediária: Dispositivo que restringe, total ou parcialmente, o fluxo de gás e é instalado ao longo da rede de distribuição.

Válvula de medidor: dispositivo de corte situado o mais próximo possível da entrada do medidor de gás.

Válvula de prumada coletiva: dispositivo de corte que permite interromper a passagem de gás no trecho da instalação comunitária, que abastece vários consumidores.

Válvula de ramal: dispositivo de corte mais próximo ou no limite da propriedade, acessível pelo exterior da propriedade e identificável, que pode interromper a passagem total gás para o consumidor.

Válvula de segurança: válvula instalada na calçada. É o mesmo que válvula de ramal. Em casos de emergência é fechada imediatamente.

Vaporização: passagem do estado líquido para o estado gasoso.

Vazão nominal: é a vazão volumétrica máxima do gás que pode ser consumida por um aparelho de utilização.

Ventilação permanente: é um dos principais itens de segurança para ambientes que contenham aparelhos a gás. Existem vários modos de se obter ventilação permanente: janelas com báculas fixas, portas com grades de ventilação e outros.

Volátil: líquido que, nas condições ambientes, se torna gasoso.

Fonte: COMPAGAS



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
EXPOMAFE - Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta

  CopyRight © GasNet - 2013