GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
27th World Gas Conference
(25/6/2018 - 29/6/2018)
Washington, D.C.
IGU - International Gas Union
The World Gas Conference is held every three years in the country holding the Presidency of the Inte ...

 
 
Pipeline Week
(11/9/2018 - 13/9/2018)
The Westin Galleria, Houston, TX USA
Pennwell Corporation

 
 
Rio Oil & Gas 2018
(24/9/2018 - 27/9/2018)
Riocentro - Centro de Convenções, Av. Salvador Allende, 6555, Barra da Tijuca - RJ
IBP

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Atualidades
  Autor/Fonte: Maurício Godói / Agência CanalEnergia
  Data: 29/04/2018

    Energia eólica pode chegar a 840 GW em 2022, aponta GWEC


 

 Mundo adicionou 52 GW eólicos em 2017, alcançando 539 GW de capacidade instalada

 

O Global Wind Energy Council (GWEC) apresentou a atualização de seu relatório Global Wind Report: Annual Market Update que aponta a inclusão de 52 GW da fonte eólica no mundo em 2017, elevando a capacidade instalada total a 539 GW. Foram reportados novos recordes na Europa, Índia e no segmento offshore. E a tendência é de que o setor continue sua expansão acelerada este ano.

 

Entre os destaques do GWEC está a queda de preços para as instalações onshore e offshore. Em países como Marrocos, Índia, México e Canadá está em um patamar de US$ 0,03/kWh com uma tendência de no mercado mexicano alcançar nível até abaixo de US$ 0,02/kWh. Enquanto isso, no mercado offshore teve seus primeiros lances chamados, em inglês, de subsidy-free  na Alemanha e na Holanda para 2 GW de nova capacidade recebendo por esta energia não mais do que o preço de atacado pelo insumo.

 

As previsões da entidade para 5 anos coloca o mercado de 2018 em um nível similar ao de 2017 mesmo com possíveis reduções em regiões classificadas como dominantes como a Alemanha e Reino Unido face as mudanças no ambiente regulatório. Na Índia espera-se um recuo temporário devido a uma brecha política entre sistemas novos e antigos. Mas, continuou o GWEC, para 2019 é projetado um crescimento expressivo, que irá passar 60 GW em 2020, e que poderá chegar a um total de 840 GW até 2022.

 

O secretário geral do GWEC, Steve Sawyer comentou ainda que há novos mercados aparecendo como o da Argentina, um retorno da África do Sul, o México beirando um crescimento expressivo, assim como na Índia. Nós vemos um enorme potencial começando a se concretizar na Rússia, no Vietnã e até mesmo na Arábia Saudita. O offshore está se espalhando rapidamente em todo o mundo devido à Europa, pioneira em trazer a tecnologia para a competitividade de custos, comentou.

 

Em suas previsões, a entidade aponta que o mercado norte-americano deverá permanecer forte pelo menos até 2020, e provavelmente além disso. O Brasil continuará a dominar na América Latina, embora com um novo concorrente, a Argentina. E ainda, novos mercados continuam a surgir na África e na Ásia, embora a China continue sendo o dominante globalmente, mas com crescimento menos espetacular do que na década passada.

 

Os níveis de penetração do vento no fornecimento de energia continuam a aumentar rapidamente. A Dinamarca obteve 44% de sua eletricidade a partir do vento em 2017, e o Uruguai, mais de 30%. Em 2017, a energia eólica forneceu 11,6% da energia da União Europeia, liderada, como visto acima, pela Dinamarca, bem como  Portugal e Irlanda, com 24%, e a Espanha e a Alemanha, com menos de 20%. Quatro estados norte-americanos recebem mais de 30% de sua eletricidade a partir do vento, assim como o estado da Austrália do Sul e vários estados na Alemanha.

 

 

 Fonte: Agência CanalEnergia News Diária (28/04/2018)

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
Banner Lilás

  CopyRight © GasNet - 2013