GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipam ...
(24/4/2018 - 28/4/2018)
São Paulo Expo Exhibition and Convention Center - Rod. dos Imigrantes Km 1,5
Informa Exhibitions

 
 
22nd International Conference and Exhibition on P ...
(22/5/2018 - 24/5/2018)
Marriott Houston Westchase, Houston, TX USA
PennWell Corporation

 
 
27th World Gas Conference
(25/6/2018 - 29/6/2018)
Washington, D.C.
IGU - International Gas Union
The World Gas Conference is held every three years in the country holding the Presidency of the Inte ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Atualidades
  Autor/Fonte: Valor Econômico / Abegás
  Data: 27/03/2018

    Shell e Statoil avaliam ampliar negócios no Brasil


 

As únicas duas petroleiras estrangeiras a entrarem como operadoras do pré-sal, nos leilões de partilha do ano passado, Shell e Statoil já preparam suas primeiras perfurações nos blocos recém adquiridos e mantêm o interesse em voltar a investir em novos ativos no Brasil. No radar estão oportunidades de negócios não só na área de exploração e produção, como também no mercado de gás natural.

Em dezembro, a Shell fechou um acordo para fornecer gás natural do pré-sal para a termelétrica Vale Azul II (466 megawatts), que teve a produção negociada no leilão de energia nova A-6 e será construída em Macaé (RJ).

Sobre novos projetos na área de gás, nós temos interesse. O gás natural é estratégico para o grupo, até como uma fonte de energia no próprio processo de transição para uma economia de baixo carbono, disse o presidente da Shell no Brasil, André Araujo, a jornalistas, após participar do evento UK Energy, do Consulado Britânico no Rio.

Além da geração a gás, a Shell avalia outras alternativas de monetização, como a venda do insumo para as distribuidoras.

A gente conversa com a distribuidoras de gás, afirmou.Araujo disse que uma equipe da companhia também trabalha forte, olhando as oportunidades dos próximos leilões de blocos exploratórios. Segundo ele, a empresa ainda tem bastante apetite pelo Brasil, mesmo depois de ter desembolsado US$ 100 milhões nas rodadas do pré-sal de 2017.

Mas há muitos projetos no mundo todo. O leilão do México deste ano mostra que vários países estão buscando investimentos. Uma coisa que temos muito forte no grupo é disciplina de capital. Tendo projetos competitivos, vamos continuar investindo no Brasil, ressalvou o executivo, em referência à aquisição, pela companhia, de nove dos 19 lotes oferecidos em águas profundas no Golfo do México, em janeiro.

A Shell foi uma das participantes mais agressivas das rodadas do pré-sal de outubro no Brasil. A companhia, que já operava a área de Gato do Mato, fez oferta por todas as seis áreas negociadas nas licitações e levou três, duas delas como operadora:80% de Sul de Gato do Mato e 55% de Alto de Cabo Frio Oeste. Também entrou como sócia da Petrobras, com 30%, em Entorno de Sapinhoá. A expectativa da empresa é começar a perfurar na área de Sul de Gato do Mato no início do ano que vem.

A Statoil, que investiu US$ 3,66 bilhões em aquisições no país, desde o ano passado, também mantém o interesse pelo mercado brasileiro. O vice-presidente de supply chain da norueguesa, Mauro Andrade, disse que, com as recentes aquisições de Carcará e Roncador, a empresa possui projetos para três a quatro décadas no Brasil, mas que a petroleira continua olhando novas oportunidades de crescimento no país, incluído também o mercado de gás. A Statoil opera a área de Pão de Açúcar, na Bacia de Campos, uma das descobertas de gás mais promissoras do pré-sal.

Temos um belo portfólio no país, mas continuamos olhando oportunidades no Brasil, disse o executivo, após participar de evento do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), no dia 19/03/2018.

A Statoil foi a petroleira estrangeira que mais investiu em aquisições no país nos últimos anos. Desde o ano passado, anunciou um acordo de US$ 2,9 bilhões com a Petrobras para compra de 25% no campo de Roncador, na Bacia de Campos, numa operação que deve praticamente triplicar a produção da norueguesa no Brasil, para 110 mil barris diários de óleo equivalente (BOE/dia); investiu US$ 25 milhões na aquisição de 40% do projeto de geração solar de Apodi (162 megawatts), no Ceará, que marca a entrada da empresa no segmento, no Brasil; e outros US$ 743 milhões para reforçar presença no projeto de Carcará, no pré-sal da Bacia de Santos.

Vemos o Brasil como uma área muito importante para a Statoil. Fora da Noruega, é a mais importante, ao lado dos Estados Unidos, afirmou.

Para 2018, o foco da norueguesa está na conclusão das aquisições dos equipamentos e serviços do projeto Peregrino II, no pós-sal da Bacia de Campos. A Statoil tem planos de começar a operar a segunda fase de desenvolvimento da produção do campo em 2020.

A companhia também pretende avançar este ano com a exploração da área de Carcará, no pré-sal da Bacia de Santos. A Statoil está neste momento conduzindo um teste num dos poços já perfurados na concessão BM-S-8. A petroleira também pretende perfurar este ano o prospecto de Guanxuma (também no BM-S-8) e mais um poço em Carcará Norte – área adjacente a Carcará, arrematada na 2ª Rodada de partilha, em outubro.

A Statoil prevê começar a produzir em Carcará entre 2023 e 2024. Andrade disse que a expectativa é avançar com as definições sobre as contratações dos equipamentos do projeto a partir do próximo ano.

 

 

Fonte: Valor Econômico / Abegás Rdação de Notícias (21/03/2018)

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos 2018

  CopyRight © GasNet - 2013