GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Pipeline Week
(11/9/2018 - 13/9/2018)
The Westin Galleria, Houston, TX USA
Pennwell Corporation

 
 
Rio Oil & Gas 2018
(24/9/2018 - 27/9/2018)
Riocentro - Centro de Convenções, Av. Salvador Allende, 6555, Barra da Tijuca - RJ
IBP

 
 
Deepwater Operations
(6/11/2018 - 8/11/2018)
Moody Gardens Hotel & Convention Center, Galveston, TX USA
PennWell Petroleum Group

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Gasodutos - Artigos
  Autor/Fonte: : Jornal da Manhã – Uberaba
  Data: 25/02/2018

    Expansão de gasoduto paulista reacende esperança de Uberaba


 Gasbrasiliano apresentou projeto de expansão de gasoduto na região de Ribeirão Preto e reacendeu articulações para a extensão do ramal até o Triângulo Mineiro. O prefeito Paulo Piau (MDB) se deslocou à cidade paulista para acompanhar o lançamento do projeto e discutir possível ampliação do duto até o território mineiro.

Os dirigentes da Gasbrasiliano anunciaram investimento de R$135 milhões para implantar 190 quilômetros de rede de distribuição de gás natural nos próximos cinco anos. O plano de expansão divulgado é para levar o duto de Ribeirão Preto até Orlândia, que fica a 118 quilômetros de Uberaba, passando pelos municípios paulistas de Sertãozinho, Jardinópolis, São Simão e Dumont.

De acordo com o prefeito, com a ampliação da rede até Orlândia, o gás estará a apenas 100 quilômetros do Distrito Industrial 3 em Uberaba e o cenário está favorável para a chegada do duto ao Triângulo. Piau afirma que os próprios representantes da Gasbrasiliano manifestaram interesse em trazer o gás para Minas Gerais. As possibilidades estão surgindo. Temos que aproveitar. O nosso interesse é que o gás chegue a Uberaba, disse.

A implantação de um ramal de gasoduto de Ribeirão Preto até Uberaba já foi debatida antes para o abastecimento da fábrica de amônia da Petrobras em Uberaba. A alternativa na época foi apontada como a mais viável economicamente, mas emperrou porque a ANP (Agência Nacional de Petróleo) emitiu parecer desfavorável em 2011.

O órgão considerou o projeto inconstitucional e alegou que a proposta não atendia às regras da Lei do Gás, pois o duto de Ribeirão Preto era de distribuição e não poderia transpor para o Estado de Minas Gerais. Apesar do impasse anterior, o prefeito acredita que os obstáculos legais serão vencidos. Há novos entendimentos com a ANP em relação à Lei do Gás e isso pode favorecer o projeto do duto de Ribeirão Preto a Uberaba, declara.

Opções. Em janeiro, a CODEMIG (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais), encaminhou proposta para implantar um duto na faixa de domínio da Petrobras, onde já estão instalados a rede do oleoduto OSBRA e o Alcoolduto que interliga Paulínia, Ribeirão Preto e Uberaba. O projeto seria trazer um ramal do GASBOL a partir de Paulínia até Uberaba. Ainda não há informação se o traçado passaria por São Carlos, igual ao projeto da TGBC, que também envolvia a malha do gasoduto da GASBOL. Segundo o prefeito, o importante é viabilizar o gás até Uberaba, independente da empresa ou do traçado. Ele posiciona que tanto o projeto da Gasbrasiliano quanto o da TGBC atendem ao interesse da região.

FGV fará plano de negócios para planta de amônia atrair investidores

Prefeitura vai contratar Fundação Getúlio Vargas para reunir informações sobre o projeto da planta de amônia e formatar plano de negócio para apresentar a investidores. A informação é do prefeito Paulo Piau (MDB), que tenta viabilizar a construção da unidade via iniciativa privada agora que a Petrobras sacramentou a saída definitiva do empreendimento.

Piau afirma que a desistência da Petrobras não significa o fim da planta de amônia. Ele argumenta que existe uma demanda no mercado e o fator será utilizado para a atração dos investidores. Onde tem mercado, tem negócio. Hoje, 75% do fertilizante usado no Brasil é importado. Se consideramos os nitrogenados, este número chega a quase 90%. Isso é uma vulnerabilidade muito grande. É inconcebível para uma nação minimamente organizada, argumenta.

O prefeito acrescenta que não pretende abandonar o projeto por causa dos entraves que interromperam a obra da fábrica. Não desanimamos nem do gasoduto e nem da planta de amônia. Os dois virão. Não vamos abandonar estes projetos. Estamos correndo atrás porque sabemos que são viáveis e necessários, finaliza.

 

Fonte: Jornal da Manhã / Abegás - Redação de Notícias (23/02/2018)

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
Banner Lilás

  CopyRight © GasNet - 2013