GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Seminário Internacional - Mobilidade a Gás Natural ...
(22/11/2018 - 23/11/2018)
Hotel Hilton Copacabana – Av. Atlântica 1020
Abegás/Gas Natural Fenosa
Evento 100% dedicado ao mercado de GNV
Objetivo:
Apresentar as soluções tecnológicas e os b ...

 
 
Asset Management, Operational Excellence Forum for ...
(29/11/2018 - 30/11/2018)
Bilderberg Garden Hotel, Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
"Maintenance for Oil and Gas Petrochemical Europe"
The Asset Management and Operational Excelle ...

 
 
Global Forum on Procurement and Supply Chain Manag ...
(24/1/2019 - 25/1/2019)
Amsterdam, Netherlands
Informa Exhibitions
Global Forum on Procurement and Supply Chain Management for the Oil and Gas Industry has encountere ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Distribuição - Artigos
  Autor/Fonte: Jornal do Comércio
  Data: 07/11/2017

    Sulgás prevê crescimento para abastecimento de gás no Rio Grande do Sul


A capacidade do gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol) para atender ao Estado é de aproximadamente 2,8 milhões de metros cúbicos de gás natural ao dia e o consumo hoje é de cerca de 2 milhões de metros cúbicos diários. No entanto, a perspectiva de que novas fontes de abastecimento surjam no Rio Grande do Sul faz com que o presidente da Sulgás, Claudemir Bragagnolo, projete que, em um período de até cinco anos, a estatal estará distribuindo em torno de 3,5 milhões de metros cúbicos de gás natural ao dia.

Com a retomada da economia, o gás natural é uma das melhores soluções energéticas disponíveis, enfatiza o dirigente. Bragagnolo destaca que a empresa busca atender no dia a dia aos grandes clientes, mas o foco da expansão de mercado, há algum tempo, concentra-se nos consumidores residenciais e comerciais. Um dos motivos que justifica esse posicionamento, de enfocar clientes com menores volumes consumidos do que os industriais, é justamente a restrição da oferta de gás natural no Rio Grande do Sul, hoje limitada ao insumo importado que chega pelo Gasbol.

O executivo ressalta que existem no Rio Grande do Sul, encaminhados por várias empresas, diversos projetos em andamento para aumentar a capacidade de fornecimento de gás na região. Entre os empreendimentos que estão sendo desenvolvidos e que podem resultar nesse cenário estão um terminal de gás natural liquefeito (GNL) em Rio Grande, a gaseificação do carvão e complexos de biogás (proveniente de rejeitos orgânicos). Sobre essa última possibilidade, a Sulgás planeja lançar uma chamada pública para aquisição de biometano (biogás purificado). Porém, esse assunto está agora sendo analisado na Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e não há garantias de que a licitação possa sair ainda neste ano.

 Para suprir o aumento de demanda, a Sulgás está investindo em infraestrutura. A distribuidora aportará até o fim do ano R$ 28 milhões para a construção de 51 quilômetros de rede em 12 municípios: Porto Alegre, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Caxias do Sul, Canoas, Farroupilha, Gravataí, Campo Bom, Bento Gonçalves, Igrejinha, Alvorada e Novo Hamburgo. No momento, a extensão da rede canalizada da companhia é de 1.077 quilômetros. O crescimento dessa rede, entre 2013 e agosto de 2017, foi de 48,16%.

A estatal atende hoje a 40 cidades e Bragagnolo adianta que, entre os municípios que não contam com o gás natural, mas deverão dispor do fornecimento da Sulgás no futuro, estão Rio Grande, Lajeado e Gramado. A cidade da Metade Sul deverá contar com o abastecimento em 2019 e as outras duas dentro de três anos. Em uma primeira fase, Lajeado e Gramado deverão ser abrangidas com gás natural comprimido (GNC), transportado por caminhões em cilindros. Já o modo de operar em Rio Grande dependerá se já estará pronto ou não o terminal de GNL que as empresas Bolognesi e New Fortress Energy pretendem construir ali. Em todos esses lugares, a Sulgás planeja implementar uma rede de gasodutos local.

Para este ano, a estatal projeta alcançar um faturamento de R$ 960 milhões. Apesar de estar nos planos de privatização do governo do Estado, Bragagnolo afirma que a operação da companhia segue normal e que a questão de uma eventual venda é um assunto que diz respeito ao acionista majoritário (o próprio Executivo gaúcho)

 

Fonte: : Jornal de Comércio(RS)/Abegás, nov/17  (1º) 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
Banner Lilás

  CopyRight © GasNet - 2013