GasNet - O Site do Gás Natural e GNV    
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipam ...
(24/4/2018 - 28/4/2018)
São Paulo Expo Exhibition and Convention Center - Rod. dos Imigrantes Km 1,5
Informa Exhibitions

 
 
22nd International Conference and Exhibition on P ...
(22/5/2018 - 24/5/2018)
Marriott Houston Westchase, Houston, TX USA
PennWell Corporation

 
 
27th World Gas Conference
(25/6/2018 - 29/6/2018)
Washington, D.C.
IGU - International Gas Union
The World Gas Conference is held every three years in the country holding the Presidency of the Inte ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  GD - Artigos
  Autor/Fonte: Dauro Veras,Valor/CanalEnergia Clipping,mai/17
  Data: 01/06/2017

    Biogás avança com inovações tecnológicas


 Impulsionado por inovações tecnológicas e investimentos na cadeia de valor, o biogás está entre as fontes de energia que mais cresceram no Brasil em 2016. Houve um salto de quase 30% na capacidade instalada, que atingiu 118,6 Megawatts (MW) em fevereiro de 2017, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Existem hoje 15 usinas operando no país a partir de resíduos sólidos urbanos, 11 com resíduos animais e três com rejeitos da agroindústria.

A participação do biogás na matriz elétrica é de apenas 0,0741%. Há, porém, potencial para produzir 78 milhões de m3 diários, equivalentes a 25% da disponibilidade de energia do país, segundo a Associação de Biogás e Biometano (ABiogás).

A organização estima que até 2025 é possível atingir uma produção diária de 10,7 milhões de m3 , 13% do volume que é hoje desperdiçado.

“Em médio prazo, o processamento conjunto de resíduos sólidos urbanos com o lodo do tratamento de esgoto pode dar melhor viabilidade econômica aos empreendimentos”, diz Carlos Alberto Moya, professor do departamento de engenharia civil do Instituto Mauá de Tecnologia. Para tornar competitiva a indústria do biogás, ele defende a adoção de um novo marco regulatório e de uma política pública de incentivo.

Entre os projetos que entraram em operação em 2016, destacam-se as termelétricas Caieiras, do grupo Solví, e Bonfim, da Raízen, ambas no Estado de São Paulo. Uma iniciativa científica relevante concluída este ano foi o projeto Probiogás, firmado em 2013 entre Brasil e Alemanha para testar o aproveitamento energético do biogás em dez estações de tratamento de esgoto (ETEs) do país. A pesquisa envolveu Sabesp, Caesb, Copasa, Seame Rio Preto, Sanasa e Sanepar, com coordenação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Um acordo de R$ 7,3 milhões, firmado entre a Sabesp e o Instituto Fraunhofer, da Alemanha, resultou em um equipamento que transforma gás de esgoto em biometano. A partir do segundo semestre, o combustível renovável será usado nos 49 veículos da empresa em Franca (SP). Com o aproveitamento do gás, haverá redução anual da emissão de 1,5 milhão de toneladas de dióxido de carbono. Em São José dos Pinhais (PR), a GE Power e a CS Bioenergia produzirão 3 MW de energia térmica e 2,8 MW de eletricidade na ETE Belém, a partir da biodigestão do lodo.

A Veolia, transnacional especializada em serviços ambientais, tem tentado vender suas tecnologias para produção de biogás, mas o mercado brasileiro ainda está “engatinhando”, constata o diretor de projetos para a América Latina, Yves Besse. Um gargalo é o baixo acesso da população a saneamento: “Quanto mais poluído é o corpo receptor rio, lago etc., menor a exigência de qualidade do esgoto tratado e da tecnologia utilizada”.

 

Fonte: Valor Econômico (31/05/17)

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Informa Group
FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos 2018

  CopyRight © GasNet - 2013