GasNet - O Site do GNV  
Digite seu e-mail e cadastre-se
  
 
Em   
 
  -  Gás Natural Veicular
 
 

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Latin Oil Week, Latin Upstream
(1/9/2014 - 3/9/2014)
Rio de Janeiro
Inf. Global Pacific Partners

 
 
Essentials of Gas Trading & Risk Training Course
(4/9/2014 - 5/9/2014)
120 Moorgate, London
IFE (International Faculty of Energy)
This course provides a comprehensive introduction to those looking to gain a better practical under ...

 
 
SPE Integrated Intelligent Completions
(11/9/2014 - 12/9/2014)
JW Marriott Hotel, Copacabana, Rio de Janeiro, Brazil
SPE Global Events
Intelligent Well Completion (IWC) adoption in Latin America has increased due to the development of ...

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  GNV - Express
  Autor/Fonte: Brasil Energia/Abegás
  Data: 03/12/2013

    Expansão para o interior


Plano de negócios de CEG e CEG Rio preveem investimentos de R$ 1,25 bilhão e redes de alta pressão para seis novos municípios do RJ

A Gas Natural Fenosa promete caminhar em direção ao interior do estado do Rio de Janeiro nos próximos quatros anos. Em meio ao processo de revisão tarifária de suas concessionárias CEG e CEG Rio, a companhia se comprometeu com a Agenersa, órgão regulador estadual, a investir R$ 1,25 bilhão até 2017 e levar sua rede de alta pressão a seis novos municípios, além de expandir o abastecimento para outros dois municípios por meio de carretas de gás natural comprimido (GNC).

De acordo com o plano de negócios 2013/2017 da empresa, aprovado pela Agenersa em outubro, a CEG Rio, responsável pela distribuição no interior fluminense, responderá por 61% dos 418 km de novos gasodutos de alta pressão previstos para o período. O planejamento contempla ainda 921 km de gasodutos de baixa e média pressão, num total de 1.339 km de novas redes.

A rede será expandida para os municípios de Maricá e Mangaratiba, na área de concessão da CEG; e Angra dos Reis, Cachoeiras de Macacu, Saquarema e São João da Barra, sob responsabilidade da CEG Rio. Embora não figurem na lista das principais economias do estado, esses municípios possuem potencialidades interessantes.

Do Açu a Maricá

O principal destino dos investimentos da Gas Natural Fenosa, São João da Barra, abriga o Porto do Açu, da LLX, agora sob controle do grupo norte-americano EIG. Embora assistam com cautela a crise do grupo EBX, que controlava a LLX, empresas como Technip e NOV, do ramo de linhas flexíveis, e Wärtsillä, de propulsores, já estão se instalando no local.

Cachoeiras de Macacu abriga uma fábrica da Brasil Kirin (ex-Schincariol), a única da empresa que ainda opera com caldeiras a óleo BPF. A cervejaria consome gás natural em cinco de suas oito unidades no país e em outras duas substituiu o óleo por biomassa. A ideia é antecipar o fornecimento à cidade com carretas de GNC.

Já Saquarema, na Região dos Lagos, possui um polo industrial em formação que conta com as indústrias de plástico Vitória Perfil, Bywer e Eva Power. Maricá, por sua vez, vive a expectativa em torno de um polo naval, com a construção de um terminal em Ponta Negra. O município, assim como Angra dos Reis, é abastecido atualmente por GNC.

Diante desses potenciais alvos no setor industrial, a Gas Natural Fenosa – que não dá informações sobre seus novos clientes – traçou como meta a conexão de 39 novas indústrias, sendo 20 na área de concessão da CEG e 19 na da CEG Rio, até 2017, sobretudo de pequeno e médio porte.

Além desses mercados que vão receber redes de alta pressão, a CEG Rio tem planos de iniciar projetos estruturantes com carretas de GNC em Itaperuna e Araruama. Itaperuna se destaca pelas fábricas de laticínios da Quatá e Marília e a fabricante de freios Boechat.

Compromisso antigo

As redes previstas para Maricá, Mangaratiba, Angra dos Reis, Cachoeiras de Macacu e Saquarema são compromissos antigos, assumidos no último ciclo quinquenal de investimentos, mas até hoje não realizados.

De acordo com a Agenersa, a CEG cumpriu apenas 67,9% dos investimentos financeiros previstos entre 2008 e 2012. No período, a companhia deixou de instalar cerca de 17 km de rede de alta pressão e 607 km de tubulações de baixa e média pressão.

A CEG Rio, segundo a agência reguladora fluminense, cumpriu bem menos: apenas 58,3% dos investimentos previstos. Ficaram pendentes aproximadamente 23 km de rede de alta pressão e 168 km de gasodutos de baixa e média pressão.

Tarifas caem por falta de investimentos

Por conta dos compromissos não cumpridos, CEG e CEG Rio foram penalizadas com a redução de suas margens no próximo ciclo quinquenal. Boa notícia para os consumidores, que viram as tarifas caírem, sobretudo os dos segmentos de climatização, cogeração e geração distribuída, os maiores beneficiados.

A redução das tarifas nesses setores reflete a opção da CEG por dinamizar esses nichos e aproveitar as oportunidades de negócios geradas pelas Olimpíadas. A Gas Natural Fenosa projeta a captação de apenas 14 novos clientes no segmento de climatização em 2016.

Apesar do preço mais baixo, a Cogen-Rio, que representa a indústria de cogeração do estado, avalia que as tarifas até 56% mais baratas para o segmento, dependendo da faixa de consumo, não são suficientes para revolucionar o mercado fluminense.

 “Já estão num nível mais apetitoso. Esperamos que essas tarifas aumentem a viabilidade dos projetos, mas continuamos com dificuldades regulatórias, como, por exemplo, a colocação dos excedentes”, explica o superintendente da entidade, Osório de Brito, referindo-se à Resolução 482/2012 da Aneel, que trata do envio de excedentes para a rede.

Brito resssalta que a regra da Aneel vale apenas para projetos de geração distribuída de até 1 MW, enquanto a maioria das unidades em operação no Rio de Janeiro tem capacidade superior a 5 MW.

 

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



 

The 5 Day Oil & Gas Mini MBA Training Course
The Oil & Gas MBA 2014
Banner Lilás

  CopyRight © GasNet - 2013