GasNet - O Site do Gás Natural e GNV  
Digite seu e-mail e cadastre-se
  
 
Em   
Distribuição Produção Legislação Termelétricas GD - Geração Distribuída Novas Tecnologias Cursos & Eventos Instituições

Tenha o GasNet no seu celular

Disponível para iPhone na AppStore

Disponível para Android na GooglePlay

 
 
Brazil Pre-Salt Week
(28/4/2014 - 30/4/2014)
Rio de Janeiro
Oliver Kinross

 
 
FPSO Topsides Design & Layout
(29/4/2014 - 30/4/2014)
Dexter House, London/UK
IBC Energy
Developing a robust and cost efficient topsides design strategy. Highlights include:
· ...

 
 
OTC Houston
(5/5/2014 - 8/5/2014)
Houston, Texas/USA
Otcnet.org

 
 
Atena Engenharia Leia as histórias do Netinho (nosso mascote) Acesse a nossa seção e saiba tudo sobre GNV Leia as histórias do Netinho (nosso mascote)
  Geral - Express
  Autor/Fonte: Brasil Energia
  Data: 13/07/2012

    Bolso cheio


Crescimento dos salários de óleo e gás no Brasil foi três vezes maior que a média mundial em 2011.
 

Cargos técnico-executivos estão alavancando a média salarial no setor de óleo e gás no Brasil. Profissionais como gerente de Desenvolvimento de Negócios Sênior, diretor de Perfuração e executivo Sênior em Geociências e SMS estiveram entre os que receberam os maiores aumentos salariais no país em 2011. E eles puxaram o forte crescimento salarial médio do Brasil no ano passado, de 27%, quase três vezes superior à média global, segundo o relatório “The Oil & Gas Global Salary Guide”, da Hays.

A expectativa é que essas mesmas áreas sigam liderando o crescimento esperado para 2012. Entretanto, um profissional em especial deve começar a ganhar destaque: o gerente Geral (general ou country manager), sobretudo em função da chegada de novas empresas estrangeiras ao Brasil. “As multinacionais precisam de um profissional brasileiro, habitualmente um engenheiro ou alguém com bons contatos com operadoras, para abrir suas operações no país”, explica o consultor da Hays Bruno Fonseca.

 

Para ele, a tendência é que, nos próximos dez anos, os profissionais brasileiros do setor petróleo já estejam entre os mais valorizados do mundo, equiparando-se aos noruegueses. Em 2011, de acordo com o estudo, o Brasil foi o sétimo colocado no ranking de médias salariais anuais locais, com US$ 119.600.

O principal motivador desse salto deverá ser a demanda dos EUA, onde, atualmente, a cada três profissionais que se aposentam, apenas um ingressa da indústria – situação diametralmente oposta à do Brasil. “Na próxima década, esses profissionais, com conhecimentos em perfuração, geologia, terão 30, 40 anos de idade, chegando ao auge de sua carreira. Os americanos sem dúvida virão pescar recursos humanos aqui ”, prevê Fonseca.

Com peso de 50% no crescimento salarial no setor de óleo e gás na América do Sul, o Brasil, ao lado de Austrália, China e Iraque, é descrito como um dos hotspots do aumento salarial global no ano passado, principalmente em função de grandes projetos em curso, o que aumentou ainda mais a pressão sobre o já restrito pool de recursos humanos capacitados.  

 

Outro ponto é o fato de que o forte incremento salarial do profissional brasileiro não atingiu os estrangeiros que trabalham no país, bem como em outros países que vêm incentivando a contratação de nativos, como Arábia Saudita, Omã e Venezuela. A média salarial da mão de obra importada no Brasil foi de US$ 106.700, 11% menor que a do trabalhador local.

Esse fenômeno, porém, não deverá aumentar a concorrência entre brasileiros e estrangeiros por altos cargos no setor. “Estamos bem protegidos pela política de conteúdo local”, justifica Fonseca. 

O estudo da Hays cobriu 24 áreas do setor de óleo e gás, em 53 países. Foram entrevistadas 14.400 pessoas, incluindo 5.400 empregadores e 1.200 funcionários de grandes petroleiras.

Óleo em alta, salários também

Aumento do petróleo e boas perspectivas de E&P foram os responsáveis pelo incremento da média salarial em óleo e gás

O aumento do preço do barril de petróleo e as perspectivas com os planos exploratórios e de produção de diversos países foram os responsáveis pelo incremento da média salarial de profissionais do setor petróleo verificado em boa parte do mundo ao longo de 2011. De acordo com o relatório “The Oil & Gas Global Salary Guide”, da Hays, também contribuiu o fato de questões como a recessão global e o acidente de Macondo, no Golfo do México, começarem a ser superadas pelas companhias do setor, com o mercado recuperando a maior parte de suas perdas, o que viabilizou o aumento de salários e bônus. Isso, contudo, não foi tão ocorreu com profissionais terceirizados, cuja média salarial continuou abaixo da registrada em 2008.

Segundo o estudo, a não ser que a crise econômica europeia provoque um colapso global, a tendência é de que haja escassez de mão de obra de óleo e gás, o que continuará puxando os salários para cima este ano. Entre as áreas mais aquecidas estarão as ligadas a engenharia submarina, além da perfuração onshore, com o aquecimento das atividades de E&P de recursos não convencionais, como o shale gas nos EUA. Outras áreas destacadas são engenharia de petróleo/reservatório, project control e construção e instalação.

A pesquisa ainda observou que os aumentos mais significativos de salário envolveram profissionais em início de carreira, independentemente do tipo de companhia em que atuam, refletindo o aumento na competição para a entrada de novos talentos, em comparação com o ano anterior.

 

 

Compartilhe este texto com seus amigos:
 



  Gasodutos
  Cogeração
  GNC

Fund. of Pipeline Engineering, Construction and Operations
OSV Brazil Conference 2014
Unconventional Oil & Gas Summit (UGOS) 2014

  CopyRight © GasNet - 2013